O que há no meu "Frunk" sob o capô: com Antti Autti

Nos confins do norte da Finlândia, onde os ventos de inverno uivam e as paisagens nevadas se estendem até onde a vista alcança, encontramos um homem que abriu o seu próprio caminho através das encostas geladas. Antti Autti, um praticante profissional de snowboard de Rovaniemi, na Finlândia, não só conquistou os picos como se tornou um defensor apaixonado do desporto, combinando o amor pelo snowboard ao compromisso com a sustentabilidade.

"Guardo sempre o meu kit de estudo para a neve sob o capô", diz o melhor praticante de snowboard da Finlândia, abrindo o compartimento de bagagem dianteiro ou "Frunk". "É uma grande parte do que faço hoje em dia no free-riding. Tenho de perceber o que está a acontecer com a neve." Bem-vindos ao interior sagrado do Polestar 2 de Antti Autti. Um local repleto de alguns elementos familiares (e outros nem tanto). Mas o percurso de Antti no mundo do snowboard começou muito antes, com a tenra idade de 10 anos, quando se sentiu movido pelo desejo de liberdade que o desporto lhe oferecia. O espírito rebelde de abrir caminho na neve cativou a sua imaginação, num grande afastamento dos desportos de equipa estruturados dos seus anos anteriores. Aos 13 anos, a ideia de competir profissionalmente tornou-se uma possibilidade clara e, aos 17, assinou o seu primeiro contrato, iniciando um percurso que o levaria a conquistar vitórias em eventos de prestígio como os X Games em 2005 e a garantir duas medalhas de ouro no Campeonato do Mundo.

No entanto, para Antti, o verdadeiro valor do sucesso não reside apenas nos troféus, mas sim em sentir alegria nos momentos mais ínfimos nas montanhas. Quer seja a navegar no terreno do Ártico, a sua amada região natal, ou a conquistar os eventos de superpipe no Japão, a paixão de Antti pelo snowboard mantém-se inalterada.

"Os eventos por convite, em que mais de 70 000 pessoas nos observam a fazer truques, foram uma experiência absolutamente memorável. Mas o que considero ser a maior conquista é o facto de ainda conseguir sentir alegria mesmo nos dias mais simples nas montanhas ou nas estâncias de esqui e, de um modo geral, encontrar novas motivações para progredir no snowboard que pratico", afirma Antti.

01/05

Para além da emoção da competição, Antti adotou uma abordagem holística da sua carreira. Mergulhou em projetos como "Arctic Lines", uma expedição de três anos pelos diversos terrenos da sua região natal. "Tem sido uma viagem interessante para aprender sobre mim próprio e sobre as montanhas", afirma. Este projeto reflete o seu compromisso com a investigação movida a energia humana (ele colabora ativamente em iniciativas que visam sensibilizar os entusiastas do ar livre para as alterações climáticas) e uma profunda ligação com a natureza, um tema que vai além da prática do snowboard.

Tendo sido apresentado à marca Polestar há alguns anos, Antti ficou imediatamente atraído pelo seu estilo e pelo seu compromisso com a redução das emissões. O Polestar 2, em particular, está em sintonia com os seus valores, pois proporciona não só um meio de transporte, mas também uma experiência que se coaduna com o seu amor por paisagens puras e imaculadas. Para alguém que examina minuciosamente todos os pormenores do seu equipamento, o design e a experiência de condução do Polestar 2 deixaram uma impressão duradoura.

"Sinto-me muito em sintonia com o automóvel quando estou a conduzir. Quando estou a fazer snowboard nas montanhas, tento encontrar a linha mais pura e mais agradável e, de certa forma, quando conduzo o Polestar 2, sinto uma sensação semelhante", diz Antti. 

Close up of Antti Autti.
A landscape image of a snowy Northern Finland.
O que considero ser a maior conquista é o facto de ainda conseguir sentir alegria mesmo nos dias mais simples nas montanhas ou nas estâncias de esqui.
Antti Autti, praticante profissional de snowboard

A ligação de Antti com o Polestar 2 vai para além do lugar do condutor. Ao abrir a bagageira e o "Frunk" do seu automóvel, os elementos essenciais de um praticante de snowboard saltam à vista: uma prancha de snowboard, botas, capacete, óculos de proteção, uma mochila cheia de água, equipamento de reserva e um kit de primeiros socorros crucial. Mas o que chama a atenção é o conteúdo do compartimento de bagagem dianteiro com o "kit de estudo" para a vastidão coberta de neve.

"O meu local preferido para praticar snowboard neste momento é o Ártico. Adoro porque é a minha região natal e acho-a muito interessante, porque aqui temos uma camada de neve muito variável, o que significa que temos de compreender muito bem a natureza para conseguirmos fazer grandes percursos ou desafiarmo-nos a nós próprios. Isso é algo que tenho vindo a apreciar cada vez mais na minha carreira", afirma Antti.

Com uma pá, uma vassoura e uma serra de neve, Antti investiga os meandros das condições da neve. O kit de neve torna-se a sua ferramenta para compreender a natureza em constante mudança da camada de neve, um aspeto vital das suas aventuras de free-riding.

"Normalmente, encontro um local no terreno e faço um buraco na neve, o que me permite estudar a neve para conhecer as suas condições. Isso diz-me como a camada de neve se está a formar, o que me ajuda a compreender o que está a acontecer na natureza durante o inverno para tomar decisões seguras e informadas quando pratico snowboard", diz Antti enquanto nos mostra o seu kit.

Ao mergulhar nas profundezas do manto de neve, Autti não está apenas a procurar a emoção da viagem. Está a embrenhar-se na ciência das montanhas. O compartimento de bagagem dianteiro do seu Polestar 2 torna-se um laboratório móvel, que reflete uma mistura harmoniosa de aventura e responsabilidade ambiental.

01/03

Relacionado

The Scottish Highlands.

Será que nos dias de hoje esta estrada escocesa é o melhor destino do mundo para veículos elétricos?

A infraestrutura de carregamento está a crescer a um ritmo incrível. Só no ano passado, o Reino Unido instalou um número recorde de 16 000 carregadores e os EUA atingiram um total de 165 000 pontos de carregamento públicos. Por isso, sair dos trilhos batidos num veículo elétrico já não é um problema por aí além. É por isso que estamos a preparar uma nova série de viagens que não pode perder, a começar pela famosa North Coast 500. Não há nada mais remoto do que a costa oeste da Escócia, mas as recompensas visuais valem mesmo a pena. E agora, com os postos de carregamento a apoiar, eis porque é que as Terras Altas da Escócia são uma visita obrigatória para qualquer fã de veículos elétricos.