O Bom, o Mau e o Vilão: O que realmente aconteceu na COP28

A Conferência das Partes das Nações Unidas (COP) não é alheia a controvérsias. Na qualidade de principal evento climático do mundo, atrai políticos de renome, inovadores ecológicos e ativistas ambientais. É uma oportunidade para debater grandes ideias e promover o coletivismo. Mas há um outro lado - Muitas vezes frequentada por lobistas e negacionistas do clima, a conferência tem sido acusada de favorecer os interesses empresariais. A jornalista premiada Sophia Li acompanha-nos no Dia dos Transportes da COP 28 para ver o que realmente se passa.

Artwork at COP28 venue

Cumprimentos do Golfo. Como jornalista especializada em clima e sustentabilidade, passei os últimos dez dias no Dubai (a maior e mais visitada cidade da região) a participar na COP28. Apesar de ser a segunda vez que participo neste evento mundial, a experiência pode ser bastante intensa.

Enquanto recuperava o fôlego nas montanhas, depois de dias rodeada por uma cidade feita pelo Homem, cruzei-me com um grupo de hóspedes do hotel. Também vinham da COP e partilharam comigo que trabalhavam na indústria petrolífera - metade dos hóspedes trabalhava para dois dos maiores conglomerados petrolíferos da região.

Esta junção de defensores do clima e funcionários de empresas petrolíferas amontoados à volta de uma lareira para descansar das pressões do trabalho é uma boa imagem desta COP a uma escala maior. Há à volta da mesa muitas caras conhecidas e outras nem tanto. Contrariamente às acusações que lhe são dirigidas, a COP é importante porque é a única cimeira que reúne todos os principais intervenientes: representantes dos Estados, delegados da ONU, imprensa e sociedade civil para debater as alterações climáticas e as suas consequências. A missão que todos defendem é atingir o objetivo de neutralidade na emissão de gases com efeito de estufa até 2030, ou seja, manter o planeta a uma temperatura não superior a 1,5 graus centígrados, para que possamos ter um futuro viável. A COP deste ano é especialmente importante, uma vez que é o ponto intermédio entre o Acordo de Paris sobre o Clima, o primeiro tratado internacional juridicamente vinculativo adotado por 196 Partes na COP21 em 2015, e o nosso objetivo coletivo de não ultrapassar o limite de 1,5 graus até 2030.

A forma mais rápida e eficiente de o fazer é eliminar gradualmente os combustíveis fósseis, mas é aqui que as coisas se complicam. 

Este ano, antes do início da conferência, relatórios de investigação revelaram que participantes de alto nível que lideram a COP28 foram acusados de utilizar as reuniões com os líderes mundiais como uma oportunidade para fazer mais negócios no sector do petróleo e do gás. Outros inconvenientes de uma conferência desta dimensão são a energia e os recursos despendidos para gerir duas semanas de política egocêntrica, hierarquias lentas e, claro, o custo do carbono de milhares de pessoas que se deslocam até aqui. Foram estas as controvérsias subjacentes à conferência de duas semanas. 

Sophia Li and Fredrika Klaren in discussion
Palm tree and COP28 banner at venue
A indústria automóvel é uma peça importante no puzzle para atingir a neutralidade climática
Sophia Li
Dia dos Transportes

Vamos analisar o que acontece durante estas duas semanas na COP. Nos primeiros dias, realiza-se a cimeira dos líderes mundiais. Após os discursos dos líderes, as negociações decorrem à porta fechada. 

Depois temos dias temáticos. Cada dia é dedicado a uma mensagem climática diferente: finanças/comércio/igualdade de género, energia/transição justa/povos indígenas, natureza/utilização dos solos/oceanos... E por aí em diante. Estes dias determinam quais os intervenientes políticos que se deslocam à cidade para representar o seu país. As negociações com os intervenientes políticos são as mais demoradas, por isso têm mais de uma semana.

No sétimo dia da COP28, o dia temático incidiu sobre a ação a vários níveis, a urbanização e os transportes. Este foi um dia muito apropriado para ter lugar a meio da conferência, uma vez que as conversas de toda a gente, dentro e fora do evento, giravam em torno das infraestruturas de planeamento urbano, do trânsito e da vastidão geral das deslocações na cidade do Dubai. Os transportes públicos nesta região são limitados. Sente-se imediatamente a dimensão da cultura automóvel e a forma como a cidade foi construída para os carros e não para os peões. As conversas giravam em torno do tempo que demorava a chegar a um jantar na baixa do Dubai, apesar de existirem autoestradas com seis faixas de rodagem (pessoalmente, fiz uma viagem de 2 horas para percorrer 40 km). 

No Pavilhão da Suécia, o Dia dos Transportes começou com um painel sobre o Global Automotive Stocktake com a Polestar, a Kearney, a European Climate Foundation e o Climate Group. A indústria automóvel desempenha um papel fundamental para não ultrapassar o limite de 1,5 graus de aquecimento global. Sendo uma nova-iorquina que não tem carro há mais de uma década, lembro-me muito bem de como a indústria automóvel é uma peça enorme no puzzle para atingir a neutralidade, especialmente em regiões como esta.

Ao ritmo atual, não estamos minimamente no bom caminho. É por isso que a Polestar, em colaboração com a Rivian e a Kearney, criou um plano para nos colocar de novo no caminho certo, designado por Pathway Report.O relatório conclui que a indústria dos veículos de passageiros, que atualmente é responsável por 15% das emissões a nível mundial, já terá gasto o seu orçamento de carbono em 2035 e está encaminhada para ultrapassar 75% em 2050.

O relatório prossegue com a identificação de três medidas que a indústria automóvel precisa de puxar para entrar no caminho certo para estar dentro do limite de 1,5 graus:1. Os automóveis movidos a combustíveis fósseis devem ser substituídos por veículos elétricos até 2032.2. 100% de energia renovável nas redes elétricas até 2033.3. Reduzir as emissões de gases com efeito de estufa na cadeia de abastecimento em 81% até 2032.

O painel começou virtualmente com o antigo Vice-Presidente dos EUA, Al Gore, que referiu que as vendas de veículos elétricos no ano passado representaram 20% de todas as vendas de automóveis de passageiros, um ponto de inflexão crítico antes da adoção em massa dos VE. 

Durante o painel, houve um aspeto em particular que me chamou a atenção. Mónica Araya, Diretora Executiva da Fundação Europeia do Clima, defendeu que a indústria automóvel não precisa de esperar por uma descarbonização completa da cadeia de abastecimento para fazer mudanças drásticas. Mónica Araya argumenta que, apesar das muitas complexidades, a indústria pode avançar mais depressa se for ambiciosa nas suas estratégias de energias renováveis, uma apetência que já viu em países preparados para a adoção em massa dos VE, como o Brasil e a Indonésia.

Sophia Li and Fredrika Klaren in discussion
Polestar exhibition stand at COP28
Um novo amanhã?

A segunda semana da COP é também dedicada a negociações à porta fechada, enquanto as agências da ONU, as nações e os territórios partilham as suas mensagens prioritárias, compromissos climáticos e comunicados. E é aqui que se realizam algumas das negociações mais importantes. 

Esta é a única altura do ano em que os líderes mundiais negoceiam o financiamento da luta contra as alterações climáticas. Os países mais afetados pelas alterações climáticas - Sudão, Afeganistão, Paquistão, Congo, etc. - dependem destas negociações para obterem financiamento crucial dos países mais ricos. Chama-se a isto Perdas e Danos: quando os países ricos e altamente poluidores pagam finalmente o que devem aos países em desenvolvimento que não contribuíram com quase nada em termos de emissões de carbono, mas que suportam a maioria das catástrofes climáticas.

E, pela primeira vez, o Fundo de Perdas e Danos deste ano foi acordado durante o primeiro dia da COP28, uma vitória duramente conquistada pelos países em desenvolvimento. Até à data, foram atribuídos 700 milhões de dólares ao fundo para perdas e danos. Parece muito, mas na verdade é apenas cerca de 0,2% das perdas económicas e não económicas irreversíveis que os países em desenvolvimento enfrentam atualmente.Por mais desanimador que pareça, demonstra a importância desta convocatória, uma vez que as populações dos países vulneráveis ao clima vivem com esta crise todos os dias. É também muito raro que grupos da oposição, como os ativistas, as delegações indígenas e os meios de comunicação social, se encontrem frente a frente na mesma sala com os líderes mundiais.

Mas talvez o maior resultado da conferência tenha sido revelado no último dia, quando estas duas palavras, "combustíveis fósseis", apareceram finalmente no acordo final da COP28. O texto apela a uma "transição para o abandono dos combustíveis fósseis nos sistemas energéticos, de forma justa, ordenada e equitativa". Representantes de 200 nações concordaram com o texto, um consenso agora apelidado de "Consenso dos EAU". Os países insulares, que estão a perder cada vez mais terras devido à subida do nível do mar, afirmaram que o texto representa uma melhoria, mas contém uma "série de lacunas". Os cientistas consideram que o texto não vai suficientemente longe, enquanto os países mais pobres estão frustrados com o facto de o texto não incluir um plano concreto de adaptação ao clima. Assim, embora a inclusão de certas ressalvas e a natureza não vinculativa do acordo tenham suscitado críticas, há finalmente a utilização de uma linguagem explícita e um apelo à ação para abandonar o carvão, o petróleo e o gás - o que é inédito na história.

O palco global aqui pode ser terrivelmente lento, mas ao estar aqui, também me lembro da importância da construção da comunidade. Há tantas alianças e coligações que estão a ser aprofundadas e solidificadas a cada dia que passa. Há também muita alegria e objetivo na construção da comunidade, o que torna mais clara a razão pela qual este trabalho é fundamental. Este é um movimento de base coletivo, poderoso e histórico e recusamo-nos a deixar que as empresas de combustíveis fósseis e os interesses externos determinem o resultado. 

Sobre a Sophia

Sophia Li é uma jornalista premiada, defensora do clima e campeã dos direitos humanos da ONU. É a correspondente global do Prémio Earthshot do Príncipe William e apresentadora do podcast da Meta, Climate Talks. É editora de impacto da revista impressa trimestral Family Style. As reportagens jornalísticas de Sophia foram publicadas na CNN e nas Nações Unidas, incluindo artigos na Vogue, New York Magazine, Washington Post e Atmos. É co-fundadora da STEWARD e copresidente da Web3 Sustainability Coalition do Fórum Económico Mundial.

O artigo é, ou foi, encomendado pela Polestar Automotive AB (Polestar). A autoria dos conteúdos deste artigo pertence a quem os escreveu. A responsabilidade pelos pontos de vista, opiniões, resultados e conclusões ou recomendações é exclusivamente autoral. Não refletem necessariamente os pontos de vista da Polestar. A Polestar não assume qualquer responsabilidade por quaisquer erros ou omissões ou pela correção das informações contidas no artigo.

Relacionado

Tanja Sotka approaching her Polestar 2.

Beyond the Road: Tanja Sotka

Bem-vindo ao terceiro episódio de Beyond the Road, uma série de conteúdos onde destacamos as histórias de proprietários Polestar de todo o mundo. Neste episódio, encontrámo-nos com a agente imobiliária Tanja Sotka nas paisagens remotas e serenas da Lapónia finlandesa, onde ela encontra um refúgio e um propósito.