Desertos abrasadores e cidades húmidas - Levar o Polestar 3 ao limite

Os testes em tempo quente são um dos momentos mais difíceis no ciclo de vida de desenvolvimento de qualquer automóvel. Escolhemos os desertos abrasadores e as cidades húmidas dos Emirados Árabes Unidos para levar o Polestar 3 ao seu limite.

Side view of Polestar 3 in the desert
Fomos até lá porque não há simulação que consiga reproduzir um teste no mundo real. É possível correr uma maratona numa passadeira, mas é muito diferente fazê-lo na vida real.
Clément Heinen, Product Attribute Leader

No deserto de Al Ain, nos Emirados Árabes Unidos, as temperaturas podem chegar aos 50 graus. Para qualquer empresa automóvel, este é um dos ambientes de teste mais exigentes que se pode visitar. Mas não se trata apenas de temperaturas extremas. As cidades dos Emirados Árabes Unidos podem ter um nível de humidade difícil de compreender. No Dubai, num dia quente, a humidade pode atingir os 90%, por exemplo.A lidar com estas temperaturas extremas na equipa de testes do Polestar 3 esteve Clément Heinen, Product Attribute Leader. 

"Os momentos que se captam nos testes nos Emirados Árabes Unidos podem não se verificar em qualquer outra parte do mundo. No pico do verão, é praticamente o local mais exigente onde se espera que um cliente conduza.""Fomos até lá porque não há simulação que consiga reproduzir um teste no mundo real. É possível correr uma maratona numa passadeira, mas é muito diferente fazê-lo na vida real."

Rear view of Polestar 3 with three people next to it looking at a computer

É este o aspeto fundamental. Testar um carro num ambiente controlado como um túnel de controlo climático, com um "sol" simulado, não nos diz muito sobre o seu comportamento no mundo real. Para atingir os padrões que esperamos do Polestar 3, uma viagem aos desertos dos Emirados Árabes Unidos é uma enorme vantagem.Parte deste teste e o elemento chave do trabalho de Cléments é definir exatamente a "identidade" de um Polestar para um cliente. Neste caso, garantir que, aconteça o que acontecer, o Polestar 3 continua a ser um espaço fresco e confortável. Parece simples, mas não é. Os testes nos Emirados Árabes Unidos incluíram vários dias a percorrer 300 km com temperaturas que atingiram os 50 graus, com o carro a passar por algumas das zonas mais remotas do deserto para testar até os cenários mais exigentes dos potenciais clientes.

Close-up of Polestar logo on the front of Polestar 3.
Close up of brake callipers on Polestar 3

"Se combinarmos o calor e a humidade ambiente, o carregamento de corrente contínua e as múltiplas situações de condução dinâmica, não poderia haver maior esforço para um sistema de climatização."Os automóveis de ensaio do Polestar 3 foram submetidos a estes testes de tortura de temperatura ao longo de várias semanas, com a equipa a garantir que o software e o hardware funcionavam perfeitamente em conjunto, para que nenhum cliente se apercebesse dos desafios que o sistema de climatização enfrentava.Esta afinação e validação dos sistemas significa que a equipa obtém uma experiência consistente numa vasta gama de temperaturas ambiente. Mas a equipa não se limitou a testar no deserto. Os automóveis também enfrentaram as temperaturas negativas do norte da Suécia. Desde a climatização prévia do habitáculo até à velocidade das ventoinhas, todos os pormenores foram testados e aperfeiçoados em diferentes locais para se obter a experiência certa da temperatura do habitáculo.

01/02

"Ao arrefecer o habitáculo, existe também o desafio adicional de arrefecer a bateria. Todo o sistema de arrefecimento tem de manter a temperatura adequada para o conjunto de baterias e para o próprio habitáculo. A equipa tem uma enorme diversidade de aspetos que podem precisar de energia para o arrefecimento, pelo que passamos semanas e meses a debater estratégias para conseguir a melhor eficiência, o conforto do habitáculo e o arrefecimento da bateria."É esta visão ampla de todos os sistemas do automóvel que permite à equipa de testes fornecer estratégias e software que os clientes nem vão reparar que existe. Se tudo correr bem, pode realmente conduzir o seu veículo elétrico no deserto a 50 graus com todo o conforto. Portanto, aqui vai uma saudação para os nossos engenheiros. Ali no deserto, com protetor solar e de chapéu, a desenvolver software que esperamos que lhe passe completamente despercebido.

Relacionado

Polestar 3 under modern structure

Um carro grande, uma pegada mais pequena - porque é que o Polestar 3 está a mudar a forma como vemos os SUV

Não é surpresa que os SUV estão em todo o lado. Como um dos modelos de automóvel mais vendidos em todo o mundo, o prático e versátil SUV (Sports Utility Vehicle, ou seja, veículo utilitário desportivo) tem muito que se lhe diga. Seja para levar os miúdos aos treinos de futebol ou para percorrer passagens de montanha fora de estrada na Ásia Central, em qualquer lugar, destino e ocupação não há melhor do que estes veículos grandes, práticos e seguros. Mas a popularidade dos SUV tem um preço. Porque o tipo de automóvel preferido do mundo é, justamente, um dos que mais contribuem para as emissões de CO2e.