Airbags antigos e novas soluções: colocar Reiquiavique no mapa

Durante muito tempo, a Islândia foi o segredo mais bem guardado dos países nórdicos. Mas, inevitavelmente, espalhou-se a palavra sobre um país repleto de inovação e tecnologia ecológica. E nós adoramos tudo isto. A capital da Islândia, Reiquiavique, está a inspirar o mundo com a sua expansão de criatividade, soluções ecológicas e designs sustentáveis de alta qualidade.

Side view of Polestar 2 in Reykjavik

Não há muito tempo, a Islândia era uma ilha distante e algo esquecida no norte do Atlântico. O turismo ainda não tinha arrancado, pelo que muitos só conheciam alguns elementos que Björk ― a exportação mais famosa da Islândia ― revelava ao seu público.

Desde então, a "Terra do Gelo e do Fogo" passou a fazer parte dos itinerários de viagem e das listas de desejos, conquistando, ao mesmo tempo, uma parte maior da consciência cultural global com exportações musicais como Sigur Rós e Of Monsters and Men.

E, depois de uma decisão crucial nos anos 70 ter colocado o país numa nova trajetória, a Islândia chegou à cena mundial da sustentabilidade como um modelo a seguir na comunidade das energias renováveis.

Mas, antes dos anos 70, tudo era diferente. Como muitas outras nações nessa época, a Islândia dependia da importação de petróleo. Quando uma série de crises colocou o mercado mundial de energia num estado de fluxo, a Islândia lutou para acompanhar as flutuações dos preços do petróleo. Determinados a trazer estabilidade económica ao país, os empresários deram os primeiros passos para criar o novo sistema energético da Islândia, baseado em energia geotérmica e energia hidroelétrica. Atualmente, mais de 99% do consumo total de eletricidade do país provém de fontes de energia renováveis.

A Islândia está agora repleta de soluções ecológicas e conhecimentos sobre energias renováveis, e ansiosa por os partilhar com o mundo. Com mais de metade da população do país a residir na capital, foi obviamente aqui que encontrámos algumas das empresas ecológicas mais inspiradoras da Islândia.

01/03

Credits: Harpa
Harpa - um design que inspira  

Localizado no porto de Reiquiavique, este centro de conferências e sala de concertos, de nome Harpa, é um dos marcos mais populares da cidade, com mais de um milhão de visitantes por ano. As suas linhas distintas e o seu espetacular exterior em vidro inspirado na paisagem natural da Islândia foram já altamente premiados.

Rakel Lárusdóttir, especialista do Departamento de Gestão de Instalações e Sustentabilidade do Harpa, descreve-o como nada menos do que um ícone.

"O Harpa foi concebido para ser um ícone, inspirado na aurora boreal e na natureza islandesa. A fachada de vidro é uma das maiores obras de arte do mundo e a ideia principal por trás do conceito era não pensar no edifício como uma unidade estática, permitindo-lhe responder dinamicamente à mudança de cores da sua envolvente", explica.

Para além das suas propriedades intrinsecamente inspiradoras, o Harpa propôs-se a tornar-se um modelo a seguir em termos de operações sustentáveis. Em 2020, foi criado um Conselho Ambiental interno, que de imediato se dispôs a transformar os objetivos em ações.

Os destaques no seu percurso de sustentabilidade incluem a utilização de fornecedores de alimentos ambientalmente responsáveis, a doação de excedentes alimentares a instituições de caridade, a separação de todos os seus resíduos e a instalação de estações de carregamento para veículos elétricos. Estas ações levaram a que o edifício recebesse o rótulo ecológico Nordic Swan em 2022, algo que Lárusdóttir considera um marco pessoal.

O Harpa utiliza eletricidade verde para alimentar as suas operações, o que constitui um grande impulso para as credenciais de sustentabilidade de uma empresa. Felizmente para as empresas islandesas, quase toda a eletricidade da rede provém de fontes de energia renováveis. Um dos maiores fornecedores de energia da ilha, HS Orka, comercializa energia verde há quase cinco décadas e tem vindo desde aí a transformar fluxos de resíduos em fluxos de receitas.

Credits: HS Orka
Definir algo como desperdício é apenas uma desculpa para não encontrar uma forma de o transformar num recurso.
Jóhann Snorri Sigurbergsson, Diretor de Desenvolvimento Comercial da HS Orka
Transformar os fluxos de desperdícios em oportunidades com a HS Orka  

"Não existem desperdícios", afirma Jóhann Snorri Sigurbergsson, Diretor de Desenvolvimento Comercial da HS Orka. "Definir algo como desperdício é apenas uma desculpa para não encontrar uma forma de o transformar num recurso."

Este mantra orientou a empresa na exploração dos recursos do campo geotérmico de Svartsengi, a cerca de 40 km a sul de Reiquiavique.

Quando a HS Orka foi criada em 1974, funcionava como empresa de aquecimento urbano que fornecia água quente localmente. O processo de utilização de recursos geotérmicos para a produção de água quente continua a decorrer na central elétrica de Svartsengi, sendo uma parte importante na disponibilização de aquecimento na região.

Alguns anos após o início das operações de aquecimento, os engenheiros aperceberam-se de que não estavam a utilizar todo o potencial da bombagem de fluidos geotérmicos do solo. Com uma temperatura que atinge uns impressionantes 240 graus Celsius, os fluidos geotérmicos são, basicamente, portadores de energia.

Os engenheiros rapidamente aproveitaram o momento. Em 1978, a empresa investiu em turbinas capazes de transformar o vapor dos fluidos geotérmicos em eletricidade. Atualmente, a HS Orka é o terceiro maior fornecedor de eletricidade na Islândia.

Mas engana-se quem pensa que a história da HS Orka se limita a água quente e eletricidade. Na verdade, o excesso de água proveniente do aquecimento e da produção de eletricidade é utilizado para encher de água balnear o ponto turístico Blue Lagoon.

E isto não é tudo.

O Resource Park, construído em torno das centrais geotérmicas da HS Orka, alinha-se perfeitamente com o mantra da empresa. É um conjunto de empresas ecológicas que aproveitam um ou mais recursos da zona geotérmica, tais como a eletricidade, a água do mar filtrada pela lava e o vapor geotérmico.

De acordo com Sigurbergsson, um dos aspetos mais importantes da atividade no domínio das energias renováveis é a existência de uma paisagem que o permita. As áreas geotérmicas de alto e baixo calor cobrem grandes partes da Islândia, o que significa que é possível aceder aos fluidos geotérmicos em quase qualquer ponto do país.

"A atividade geotérmica é o que torna a Islândia habitável. É o que nos mantém vivos, neste país frio no Atlântico Norte", diz ele.

Em algumas zonas, a água é tão pura e quente que basta colocar uma chávena com café instantâneo por baixo da torneira para fazer o seu café matinal. 

Four airbags stacked on each other
Créditos: FÓLK
Airbag from FÓLK
Créditos: FÓLK
A colaboração é tudo. Uma vez que precisamos de criar novos padrões e novos processos para a circularidade, é essencial que criemos alianças fortes com os diferentes setores para atingirmos os nossos objetivos.
Ragna Sara Jónsdóttir, fundadora da FÓLK
A FÓLK utiliza airbags antigos para criar um novo futuro

A FÓLK nasceu de um desejo de criar mudanças. Quando regressou a Reiquiavique, depois de viver em Copenhaga, a fundadora Ragna Sara Jónsdóttir deparou-se com uma cidade repleta de criatividade. No entanto, apercebendo-se de que havia pouco apoio aos designers para materializarem as suas ideias, Jónsdóttir propôs-se a mudar essa situação. Com um passado como consultora de RSE e sustentabilidade, não pôde deixar de notar que a maioria dos produtos não era concebida de forma sustentável.

"Se olharmos à nossa volta, veremos que muitos dos produtos que utilizamos diariamente são fabricados para utilização a curto prazo, sem possibilidade de reciclagem, e estão destinados a acabar num aterro sanitário. Este é um enorme problema a nível mundial", comenta Jónsdóttir.

Esta era uma lacuna no mercado à espera de ser preenchida. E, em 2017, a FÓLK foi lançada com a missão de acelerar a transição ecológica através do design, promovendo designers progressistas com produtos e móveis inteligentes para a casa.

Muito pode ser alcançado quando um produto é projetado dando prioridade à sustentabilidade. Na FÓLK, os projetos são orientados pela convicção de que a maior parte do impacto ambiental total de um produto é decidida na fase do design. É por isso que os produtos FÓLK são concebidos tendo em mente a facilidade e capacidade de reciclagem, e a reutilização de resíduos é implementada com frequência.

O "Airbag" é o exemplo perfeito de como essa mentalidade pode criar um design bonito e útil. Trabalhando em conjunto com designers do Studio Fletta, a FÓLK transformou airbags antigos em almofadas criativas e resistentes.

"A colaboração é tudo. Uma vez que precisamos de criar novos padrões e novos processos para a circularidade, é essencial que criemos alianças fortes com os diferentes setores para atingirmos os nossos objetivos", comenta Jónsdóttir.

Durante uma visita a um distribuidor local de peças para automóveis, a equipa de designers encontrou nos resíduos do concessionário airbags acionados e decidiu reutilizá-los. Ficaram surpreendidos ao descobrir que os airbags existem em diferentes cores pastel e com bordados coloridos, o que inspirou o design final.

O que começou por ser uma colaboração entre um concessionário de automóveis local e dois estúdios de design foi posteriormente reconhecida pelos meios de comunicação internacionais, como a ELLE Italia e a Hunker. Em junho deste ano, a FÓLK expôs o Airbag no nosso espaço em Copenhaga durante o festival de design 3daysofdesgin.

Desde o seu reconhecimento, Reiquiavique tornou-se um modelo a seguir com justa causa. E isto é apenas o começo. De agora em diante, vamos acompanhar de perto este pequeno país nórdico com grandes ambições ecológicas.  

Relacionado

Tanja Sotka approaching her Polestar 2.

Beyond the Road: Tanja Sotka

Bem-vindo ao terceiro episódio de Beyond the Road, uma série de conteúdos onde destacamos as histórias de proprietários Polestar de todo o mundo. Neste episódio, encontrámo-nos com a agente imobiliária Tanja Sotka nas paisagens remotas e serenas da Lapónia finlandesa, onde ela encontra um refúgio e um propósito.