A constelação de quatro estrelas ilumina os Emirados Árabes Unidos

Pergunte a qualquer designer e terá a mesma resposta: a verdadeira inovação é uma das partes mais difíceis do trabalho. Isso é particularmente notório na indústria automóvel, em que alguns dos princípios fundamentais do design dos veículos permaneceram inalterados durante décadas. Mas jogar pelo seguro não nos leva muito longe.

Polestar product line up on stage in Abu Dhabi.
Em poucos anos, passámos de uma folha de papel em branco para uma gama coesa e progressiva que abrange vários níveis de preços e segmentos de veículos.
Maximilian Missoni, Responsável pelo Design da Polestar

A era dos veículos elétricos permitiu um pensamento "fora da caixa" no mundo do design automóvel. Maximilian Missoni, Responsável pelo Design da Polestar, afirma: "A mudança para os veículos elétricos e a arquitetura que estes utilizam - já não temos de acondicionar motores volumosos, depósitos de combustível e componentes complicados da transmissão - permite-nos uma maior liberdade para explorar as proporções e a forma dos nossos automóveis. E aqui na Polestar, sem o legado e a história a que as outras marcas bem estabelecidas têm de se submeter, temos mais liberdade do que a maioria para fazer as coisas de forma diferente."Por isso, a nossa decisão de lançar cinco veículos elétricos de alto desempenho até 2026 nasceu deste desejo de nos libertarmos dessas convenções estabelecidas. Com o lançamento de quatro novos produtos nos próximos três anos, podemos criar e inovar à nossa maneira. A tecnologia, introduzida pela primeira vez nos nossos "concept cars", já está presente nestes veículos de produção recentemente lançados. Quando vistos lado a lado, os modelos da nossa gama são uma homenagem ousada mas fluida à evolução do design. Apresentada em conjunto pela primeira vez em Abu Dhabi no mês passado, a nossa ambição para o futuro da mobilidade elétrica esteve à vista de todos.Missoni prossegue: "Atualmente, estamos a lançar todos os anos um novo automóvel, estabelecendo ao mesmo tempo a identidade da nossa marca. Em poucos anos, passámos de uma folha de papel em branco para uma gama coesa e progressiva que abrange vários níveis de preços e segmentos de veículos. Esta é uma oportunidade única, mas não deixa de ter um verdadeiro sentido de responsabilidade para criar algo icónico, inteligente e puro."Porém, não se trata apenas de estabelecer uma identidade visual única. A forma só tem valor se for funcional. A filosofia escandinava do minimalismo é a base de muitas das nossas inspirações de design. E, como tal, simplificámos a forma como o condutor e o passageiro interagem com um automóvel, melhorando as experiências através da eliminação de barreiras desnecessárias entre o utilizador e o veículo. Não há mais botões de arranque. Não há vidros traseiros. E, claro está, não há mais tubos de escape. Introduzimos a "SmartZone". Sistemas de purificação do ar redesenhados. E redefinimos o conceito de SUV.Paralelamente a este minimalismo puro, queremos que os nossos designs sejam icónicos, com um exterior arrojado e um design interior sofisticado, dando grandes passos em termos de sustentabilidade nos materiais que utilizamos, ao mesmo tempo que oferecemos uma experiência digital única que os consumidores atuais com conhecimentos tecnológicos exigem", revela Missoni.E num palco em Abu Dhabi, no final de maio, essa visão brilhou mais intensamente. 

Não acredita em nós? Veja por si.  

01/04

Polestar 3 in Abu Dhabi.

Relacionado

Close-up of Maria Uggla holding the Polestar signature weave.

Polestar e Bcomp: a criação do nosso tecido de interior exclusivo

A indústria automóvel está a atravessar mudanças profundas. As linhas motrizes, a condução autónoma e os sistemas de infotainment estão a transformar por completo o nosso entendimento da mobilidade. Para não ficarem para trás, os designers de interior e os fabricantes de tecidos estão a criar as suas próprias inovações. Estão numa corrida para encontrar materiais que sejam sustentáveis e, ao mesmo tempo, mantenham um toque de exclusividade. No meio dos Alpes suíços, julgamos ter encontrado isso mesmo.